Em Cima da Hora

História
Os registros do Carnaval que a primeira agremiação a utilizar o nome “Em Cima da Hora” foi uma entidade do bairro do Catumbi, que teria sido um bloco carnavalesco, mas que participou do concurso de escolas de samba nos Carnavais de 1933[4] e 1934[5]

Em novembro de 1960, numa reunião entre sambistas do bairro de Cavalcante que pretendiam fundar uma nova escola de samba, conta a historiografia do Carnaval carioca que após muitas discussões, mas sem se chegar a nenhuma conclusão sobre o nome da nova, um dos presentes, de repente, olhou para o seu relógio e verificou que já eram três horas da manhã, exclamando em seguida “Estou em cima da hora de chegar em casa”.[6] Achando a situação engraçada, os demais presentes concordaram que o nome da escola de samba deveria ser “Em Cima da Hora”, uma clara referência à antiga agremiação do Catumbi. Vale lembrar que nesse bairro, dois dos seus fundadores, Leleco e Baianinho, haviam passado parte da infância, antes de irem morar em Cavalcante.[7]

Outras fontes dizem que a escola teve origem num bloco, conhecido originalmente como “Bloco do Leleco”, e que possuía as cores verde e branco, e que só posteriormente, com a transformação em escola de samba, aquele nome foi adotado. De qualquer forma, a história da Em Cima da Hora começa em 15 de novembro de 1959, quando foi batizada pela co-irmã Portela, adotando as cores azul e branco.[7]

A escola estreou no carnaval oficial em 1962, com o enredo “Independência do Brasil”, obtendo a 16ª colocação no Grupo 3.[8] grupo que venceu em 1966.

Desfile da Em Cima da Hora de 1972. Arquivo Nacional.

Desfile da Em Cima da Hora de 1972. Arquivo Nacional.
Em 1968, com o carnavalesco Roriz, venceu o Grupo 2, chegando a primeira divisão em 1969. Só ficou nela por um ano, mas retornou em 1972, permanecendo por mais até 1976. Nesse meio tempo, conquistou em 1973 seu primeiro Estandarte de Ouro com o samba-enredo O Saber Poético da Literatura de Cordel, de Baianinho.

Em 1976, a Em Cima da Hora apresentou um samba-enredo que é considerado por especialistas como um dos melhores de todos os tempos: Os Sertões, de Edeor de Paula, conquistando seu segundo Estandarte de Ouro. Apesar disso, ao terminar a competição na 13ª e penúltima colocação, foi rebaixada.

Em 1984, o samba “33 – Destino Dom Pedro II”, de Guará e Jorginho das Rosas, a Em cima da Hora conquistou seu terceiro Estandarte de Ouro, retornando ao Grupo Especial. O enredo foi proposto e desenvolvido por Jose Leonídio e Regina Celi,. Foram importantes o apoio do Presidente Gonçalves, do Presidente de Honra, João Severino e da Estrada de Ferro Central do Brasil. Baseado no tema enredo foi realizado um Clip, para apresentação da Em Cima da Hora pela rede Manchete, sob a direção de Nelson Pereira dos Santos, dentro de um trem saindo da estacão de Cavalcante. Novamente, no entanto, não se firmou na primeira divisão. Nos anos que se seguiram, a escola ganhou o Estandarte de melhor Ala das Crianças, sob a coordenação de Dona Didi, e o de melhor Passista Masculino através do então iniciante Carlinhos de Jesus, filho do presidente Amarante. Nesta época comandavam a agremiação: Zeca Esteves, Gonçalves, Severino, Amarante de Jesus e Ney Roriz, considerados baluartes pela comunidade.

Tendo iniciado seu recente declínio de classificações, em 1998 e 1999, perdendo contingente local e seus dirigentes famosos, mesmo endividada e sem conceito entre os componentes famosos, mesmo já sem suas características e totalmente enxertada, em 2000, a Em Cima da Hora empatou com a Tuiuti e só não subiu para o Grupo Especial porque perdeu no quesito desempate. O povo da escola estava ausente, somente o nome era da escola.

No entanto, a escola desde 1998 vinha amargando trajetória de queda: caiu em 2001 do Grupo A para o B; do B para o C em 2003; e no carnaval de 2004 amargou mais um rebaixamento ao cair para o Grupo D, a quinta divisão do carnaval carioca, a condição mais baixa da sua história. Conquistou o acesso novamente em 2005, reeditando em 2006 o seu antigo carnaval de 1974, A Festa dos Deuses Afro-Brasileiros, quando foi novamente campeã.

Em 2008, ano das comemorações a respeito da chegada da Família real ao Brasil, a escola adotou um enredo crítico à figura de Dom João VI, na contramão do que fizeram algumas escolas do Grupo Especial, como a São Clemente e Mocidade. Nesse ano, a escola amargou outro rebaixamento.

Para o Carnaval de 2010, a escola, que comemorava seu cinquentenário, escolheu este tema para se apresentar na Intendente Magalhães. O enredo foi desenvolvido pelo carnavalesco Sandro Gomes,[9][7] no entanto em outubro de 2009, houve uma mudança, e Sandro Avelar assumiu a direção de Carnaval, trazendo para o posto de Carnavalesco Marco Antônio, com quem também fazia parceria no Império da Praça Seca, uma divisão abaixo. Com um samba que citava Leleco, a Portela e toda a história da agremiação,[3] a Em Cima da Hora venceu o Carnaval, retornando novamente à quarta divisão.

A partir da eleição de Sandro Avelar para a presidência da Praça Seca, este teve que deixar o cargo, sendo substituído, como diretor de Carnaval, por Sérgio Aguiar. Além desta, foram anunciadas algumas trocas para o Carnaval 2011, como a entrada de Jackeline Nascimento no posto de diretora de harmonia, no lugar de Fábio Lima, além de Mestre Serginho por Mestre Claudinho, e Carlinhos de Jesus, cria da escola, retornou para assumir a comissão de frente. Por fim Tiãozinho Cruz[10] voltou a ser o intérprete oficial.

Para 2012, com as saídas do intérprete Tiãozinho Cruz e Mestre Noca, a direção da escola optou pela volta de Serginho Gama e Mestre Zumbi, que estava na Caprichosos,[11] respectivamente como intérprete oficial e diretor de bateria. O enredo escolhido foi Simplesmente Amor, uma referência às diversas formas de amor existentes, tais como o amor entre marido e mulher, o amor entre mãe e filho, etc.

Em 2013, a escola homenageou o cantor e compositor João Nogueira[12] mantendo a mesma equipe de 2012.

Depois de exatos 10 anos desfilando na Estrada Intendente Magalhães, a Em Cima da Hora, capitaneada pelo presidente Heitor Fernandes, o carnavalesco Marco Antônio, Mestre Zumbi, Diego Chocolate e o primeiro casal Pedro e Paula, sagra-se campeã do grupo B da AESCRJ e retorna à Marquês de Sapucaí.

Para 2014 a diretoria optou pela reedição de Os Sertões.[13] mantendo novamente Marco Antônio no posto de carnavalesco e com o objetivo de permanecer na Série A do carnaval do Rio de janeiro. Após o término da apuração a escola conseguiu alcançar a 13º colocação se livrando do rebaixamento.

Para 2015 a escola teve como enredo No coração da cidade, uma história das mil e uma noites: O Rio das Arábias,[14] de desenvolvimento de Marco Antônio, que continuou como carnavalesco da escola, com uma comissão de carnaval formada por 6 diretores. Nesse mesmo ano a escola protagonizou o momento mais triste da Sapucaí, entrando com aproximadamente 20% apenas do total de fantasias, culminando no seu rebaixamento e sua volta a Intendente. Cinco anos depois, a escola consegue retornar a Série A para o carnaval de 2021 ao obter o vice-campeonato do Grupo Especial da Intendente Magalhães com um enredo em homenagem a Carlinhos de Jesus, desenvolvido pelos carnavalescos Lucas Milato e Marco Antônio Falleiros.

No seu retorno a Série A em 2021, a escola manteve o carnavalesco Marco Antônio Falleiros e formou um trio de cantores, com a manutenção de Maderson Carvalho e os retornos de Rogerinho e Tiãozinho Cruz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.