O Coração da Academia!

Por – Lu Lobo e Junior Bill |

Há um setor que define o tempo, o ritmo, o compasso, a cadência e da vida ao Samba Enredo de toda e qualquer Escola de Samba. Coração que pulsa forte na avenida e quesito de relevância, de extrema responsabilidade na condução de todo um trabalho e ensaios que muitas das vezes leva um ano inteiro para o aperfeiçoamento e a incessante busca pela nota máxima!

Não diferente a FURIOSA da “Academia do Samba” SALGUEIRO tem como excelência a força e profissionalismo de seus mais de 260 ritmistas, diretores e mestres. que na maioria das vezes, através de suas paradinhas, levadas e ritmos que se adaptam ao enredo corroboram para que grandes e maravilhosos refrãos se transforme em um sucesso, conhecido também por “CHICLETE” conhecidos por não sair da cabeça e do canto de foliões e componentes.

A frente da Furiosa os irmãos Gustavo e Guilherme contam com uma equipe de peso que a anos trás segurança e tranquilidade na condução e bastidores da bateria. Luís Carlos “Orelha”, Emilson “Showa” e Roberto “Gago” são os que compõe essa “Trinca de Ouro” responsáveis pela manutenção e afinação de surdos, caixas, repiques, e tarol.

Os irmãos e mestres responsáveis pela FURIOSA, contaram ao Setor1Um que ainda criança, quando chegavam nos ensaios de quadra, já avistavam por lá, o Gago, o Orelha e o Emilson Showa na manutenção e afinação dos instrumentos, ali aprenderam como cuidar dos instrumentos o que despertou o interesses daqueles meninos. Ambos afirmaram que essa trinca de ouro os ajudou muito na formação de toda aquela criançada que passava bateira mirim da “APRENDIZES DO SALGUEIRO” essa onde Gustavo foi nomeado Mestre de Bateria. Os meninos cresceram dentro da bateria como ritmistas, também atuaram como diretores e no ano de 2018 foram convidados e ali se tornaram os novos Mestres e Responsáveis pela FURIOSA.

Sabendo da responsabilidade e o comprometimento e dedicação daquela trinca de ouro os hoje Mestres da FURIOSA entenderam que a manutenção e permanecia daqueles que foram referencia em suas infância deveriam estar ali seguindo a frente dos bastidores, afinal a experiência e anos de dedicação de Gago, Orelha e Emilson Showa deveriam ser preservadas e mantidas na equipe de apoio dos atuais mestres.

Outra curiosidade é que sempre próximo do carnaval, já nos ensaios e principalmente momentos antes do desfile do Salgueiro, o trio não relaxa e por sua responsabilidade, cuida dos instrumentos a fim de que todos possam estar prontos para o desfile, não permitindo que absolutamente ninguém toque ou manuseie as peças que por sua vez já estão afinadas e com couros e adesivos prontos para a apresentação.

“Em miúdos” nos reservamos a apresentar cada carta dessa TRINCA DE OURO, começando pelo Luis Carlos “ORELHA” que chegou no Salgueiro em 1960, e teve sua passagem pela bateria, nos naipes de chocalho seguindo e conduzido por grandes mestres até 1976. Já, Emilson “SHOW” nascido e criado no morro do Salgueiro, próximo a quadra da Raízes do Salgueiro, desde cedo admirava a bateria na época comandada pelo metre Louro. Emilson que chegou na quadra no ano de 1969, pioneiro sempre colaborou com a agremiação realizando diversos serviços. Roberto, por sua vez, de família Salgueirense, chegou na bateria em 1978, já com experiência por participar como ritmista em blocos de carnavais de rua. Gago que seguiu firme responsável pelas cuícas, contribuiu para criação da velha guarda de bateria, anos antes da saída de Mestre Marcão. Todos tem referencias de grandes mestres como Louro, Marcão e hoje os então meninos e irmãos Gustavo e Guilherme filhos estes que o samba e a tradição e força da comunidade, hoje integram a FURIOSA bateria do SALGUEIRO.

Fotos – Gelcimar Freitas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.