G.R.E.S. Império Serrano

Após o carnaval de 1947, Sebastião Molequinho, incentivado por Elói Antero Dias, convocou sambistas e dissidentes do Prazer da Serrinha, para uma reunião com o intuito de fundar uma nova escola de samba.[7] O Império Serrano foi fundado em 23 de março de 1947, durante uma reunião na casa de Dona Eulália do Nascimento (irmã de Molequinho) e seu marido José Nascimento, na Rua Balaiada, número 142, no Morro da Serrinha.[40][6][3]

Os sócios fundadores da escola foram Sebastião Molequinho, Elói Antero Dias, Mano Décio da Viola, Silas de Oliveira, Abílio Ferreira da Silva, Alcides de Oliveira, Aniceto Menezes, Antenor Almeida dos Santos, Antenor Rodrigues de Oliveira, Antônio dos Santos (Mestre Fuleiro), Aristides Dias, Augusto Cardoso dos Santos, Carlos da Silva Reis, Clóvis de Oliveira, Hugo Correia de Matos (Mocorongo), Jair Machado, João Gradim, José Nascimento Filho, José Luiz Feliciano, Manoel Antônio Coelho, Mario Avelino Rocha, Mario Feliciano (Manula), Oswaldo Braz de Almeida, Oscarino Luiz dos Santos, Oswaldo Gonçalves, Pedro Francisco Monteiro Junior, Reginaldo Paulino, Ruy Coelho e Zacarias da Silva Avelar.[3][35][7]

O intuito era fundar uma escola de samba sem dono, nem patrono, onde as decisões fossem tomadas de forma democrática, o oposto do que vinha acontecendo no Prazer da Serrinha.[41][38] Assim ocorreu durante a reunião, onde, através de votações, foram escolhidos o nome, as cores e o símbolo da nova agremiação. Uma eleição foi realizada para definir a primeira diretoria da escola, sendo João Gradim (irmão de Eulália e Molequinho) eleito o primeiro presidente do Império Serrano.[7] Também foi estipulada a cobrança de um valor mensal dos associados para ajudar financeiramente a escola.[7] Tamanha organização tinha inspiração no Sindicato dos Estivadores, do qual fazia parte Mano Elói, Mano Décio, Molequinho, Fuleiro, Aniceto Menezes e José do Nascimento.[41][39][31]
Atributos
A bandeira do Império Serrano, na versão do ano de 2011.
A Coroa Imperial Brasileira é o símbolo da escola. Na imagem, a coroa no desfile de 2019.
São Jorge é o padroeiro da agremiação. Imagem do desfile de 2017.
Nome

O nome “Império Serrano” foi proposto por Sebastião Molequinho, e aceito por unanimidade na reunião de fundação. O “Serrano” faz referência ao Morro da Serrinha, berço da escola.
Cores

A escola tem como cores o verde e o branco. Sebastião Molequinho propôs as cores azul e amarelo ouro, mas não foram aprovadas. As cores verde e branco foram escolhidas por Antenor Rodrigues de Oliveira que, na ocasião, compôs o primeiro samba da escola (“O branco é paz / O verde é esperança / Diz o ditado / Quem espera alcança / Eu esperei e alcancei / Império, tudo por ti farei”).[6][3][7] Outras composições da escola também fazem referência às cores da agremiação, como, por exemplo, os sambas de 1994 (“Neste delírio tropical / O verde e branco é a razão da minha vida”); 1999 (“Lá vou eu de verde e branco, feliz / A serrinha é meu encanto, meu país”); 2008 (“Eu sou verde-e-branco com muito orgulho / Sou emoção”); 2010 (“Numa explosão de emoção / É verde-e-branco essa paixão”); entre outros.[2]
Símbolo

O símbolo da escola é a Coroa Imperial Brasileira, ou Coroa do Segundo Império. A coroa é comumente apresentada nos desfiles da agremiação, seja no carro abre-alas ou em outra alegoria; do jeito clássico ou de formas estilizadas.[7][42]
Bandeira

A bandeira, ou pavilhão, do Império Serrano foi desenhada por Mestre Caetano, inspirada na bandeira do Império da Tijuca.[2][7] Consiste em doze raios de cores intercaladas (seis verdes e seis brancos), partindo de uma circunferência central, de cor verde, em direção às extremidades da bandeira. Dentro da circunferência, constam, em forma circular, as inscrições “G.R.E.S. Império Serrano” e “1947” (ano de fundação da escola). No centro da circunferência, está localizado o desenho da Coroa Imperial Brasileira (o símbolo da escola). A coroa tem em sua base aplicação de pedras coloridas. Cada presidente eleito(a) tenta imprimir sua personalidade na gestão realizada na escola. Com isso, é comum a logomarca e a bandeira da agremiação sofrerem pequenas mudanças a cada ano, como por exemplo, no número de raios e de circunferências. As cores das letras das inscrições também são comumente alteradas.[7][40]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.